×

28/06/2021

O que é a Síndrome das Pernas Inquietas?

Distúrbio pouco discutido é frequente em nossa população


Pernas inquietas? O que seria?

De uma maneira direta, a síndrome propriamente dita causa sensações desagradáveis ou desconfortáveis nas pernas e uma necessidade irresistível de movê-las. Os sintomas geralmente ocorrem no final da tarde ou durante a noite e costumam ser mais graves quando a pessoa está descansando, como sentada ou deitada na cama. Eles também podem ocorrer quando alguém está inativo e sentado por longos períodos (por exemplo, ao fazer uma viagem de avião).

E o que a pessoa realmente sente?

As sensações nas pernas costumam ser difíceis de definir, mas podem ser descritas como latejantes, puxões ou coceiras. Essas sensações afetam menos comumente os braços e raramente o peito ou a cabeça, além do que na maioria das vezes afetam os dois lados e pode alternar.
As sensações variam em gravidade de desconforável a irritante e dolorosa.
Os sintomas da SPI podem variar de um dia para o outro, em gravidade e frequência e de pessoa para pessoa. Em casos moderamente graves, os sintomas ocorrem apenas 1 ou 2x por semana.

Então podemos falar que é um distúrbio de movimento?

Também. Mover as pernas ou caminhar normalmente alivia o desconforto, por isso ela é vista como um distúrbio de movimento, uma vez que as pessoas são forçadas a mover as pernas para aliviar os sintomas.
Assim como é encarada também como um distúrbio do sono, uma vez que os sintomas são desencadeados por repouso e tentativa de dormir.
No entanto, é bem mais caracterizado como um distúrbio neurológico sensorial com sintomas produzidos dentro do próprio cérebro.


Todo esse problema leva a um grande problema: a SPI é uma das várias doenças que podem causar exaustão e sonolência diurna, o que pode afetar fortemente o humor, a concentração, o desempenho profissional e escolar e as relações pessoais; A SPI moderada a grave não tratada pode levar a uma diminuição de cerca de 20% na produtividade do trabalho e pode contribuir para a depressão e ansiedade.

As mulheres são mais propensas a ter do que os homens e pode começar em qualquer idade. Os sintomas geralmente se tornam mais frequentes e duram mais conforme o avanço da idade em ambos os sexos.


O que causa a síndrome?

Na maioria dos casos a causa é desconhecida. No entanto, tem um componente genético quando a síndrome começa antes dos 40 anos. 
Evidências consideráveis também sugerem que a doença está relacionada a uma disfunção em uma das seções do cérebro que controlam os movimentos (chamados gânglios da base) que usam a substância qu[imica cerebral dopamina;
Essa substância é necessária para produzir atividade e movimento muscular suave e proposital e a interrupção dessa via leva a movimentos involutários.
Além disso, também parece estar relacionada ou acompanhar fatores ou condições, como: doença renal em estágio terminal/hemodiálise, deficiência de ferro, álcool, nicotina e etc.

No diagnóstico o médico se concentrará principalmente nas descrições individuais dos sintomas, seus gatilhos e fatores de alívio, bem como na prsença ou ausência de sintomas ao longo do dia. Um exame neurológico e físico,além de informações do histórico médico e familiar da pessoa e uma lista de medicamentos atuais, podem ser úteis.

No tratamento as opções incluem: anticonvulsivantes, suplementação de ferro, mudanças no estilo de vida (cessação do tabaco e alcool), agentes dopaminérgicos além de outras opções como as benzodiazepinas que são utilizadas objetivados um sono mais repousante.